quarta-feira, 19 de abril de 2017

Veneno

Eu sangrei menos
quando me passei por outro.
A hemorragia foi interna.
Agora, outro se passou por mim
e eu fiquei aqui sangrando.
Também fiz sangrar
a quem agredi.
Foi o tal tumor da ira.

Deve se sentir assim
o melhor assassino.
Quem melhor mata,
se mata aos poucos.

Melhor deixar passar
quem tem verdadeira pressa.
Melhor adiar o erro
já que o depois não existe.
Melhor ser melhor agora
enquanto eu sou eu.

A minha revolta pode ser eu.
O meu isolamento também.
A minha acidez e a careta.
O meu veneno também,
desde que eu não seja peçonhento. 

Apenas quem eu sou
já me faz pessoa inteira.
Não preciso sair do eixo. 
Sou lua cheia de fases.

Nenhum comentário:

Postar um comentário