sexta-feira, 31 de agosto de 2012

A eterna procura

Apesar de todo o sangue,
a beleza do nascimento de um bebê;
Apesar de toda a areia,
o amor de um casal rolando na praia;
Apesar da agressividade dos espinhos,
o desabrochar de uma rosa;
Apesar das nuvens escuras,
o brilho do pôr-do-sol;
Apesar da falta de simetria,
procuramos um corpo humano,
com nossos olhos treinados a procurar,
a nossa língua ferina a criticar,
a beleza perfeita que não existe,
mas por isso procuramos.

2 comentários:

  1. Bello poema; siempre hay cosas bonitas que biscar y encontrar por los poetas. ¡Enhorabuena, amigo!

    ResponderExcluir